De Berlim à Modena: hospedagens e translados

Quando começamos a nos programar para nossa viagem tínhamos duas certezas: teríamos que começar pela Alemanha já que o Marcos ia correr a maratona em Berlim e deveríamos encerrar em Modena porque conseguimos a reserva na Osteria Francescana – o que iria acontecer no meio foi uma incógnita por muito tempo. Primeiro porque nós dois não temos foco: eu queria ter ido para a Grécia (e cobro ele até hoje por isso haha) e por ele nós teríamos chegado até a Sérvia.

Tentamos fazer um roteio meio nosso meio standard e fechamos no seguinte: Berlim, Praga, Budapeste, Viena, Hallstatt, Veneza, Modena, Verona. Dava pra colocar mais cidades e dava pra tirar algumas, mas ficou uma delícia esse roteiro e nós amamos.

Viajamos de São Paulo à Frankfurt e de lá à Berlim via Lufthansa (pegamos uma promo mara que vimos no Melhores Destinos, R$ 1500 cada passagem) e voltamos de Veneza a Frankfurt e de lá à São Paulo.

Em Berlim, o Marcos já tinha hotel fechado por conta do pacote da maratona e acabamos ficando no Ramada Mitte. Não é o estilo de hotel que eu procuro e pelo preço que ele vale dava pra ter ficado em um lugar BEM melhor, mas já estava pago e a gente não vai reclamar né? Hahah. Ele fica bem localizado, perto de metrô, mercado, lojinha e restaurantes e é um hotel mais estilo Ibis. Na tarifa não tem café da manhã e a acomodação é bem ok. Ponto. Da janela tinha um vista bonitinha.

screen-shot-2017-01-23-at-5-07-52-pm

De Berlim para Praga fomos de avião (saiu mais barato que trem) num teco teco que quase enfartei quando vi: não curto aviões – pra você que chegou agora nesse blog. Depois de muitas respirações e água, a viagem rolou tranquilamente. Em Praga nós nos hospedamos no hotel Rott. Não foi uma tarefa muito fácil escolher porque vimos vários lugares bem lindos por lá, mas o Rott no final das contas foi uma boa opção e mega bem localizado com café da manhã gostoso, atendimento honesto, comodidades legais e wifi haha.

screen-shot-2017-01-30-at-2-29-50-pm

Decidimos ir de Praga a Budapeste via trem e, apesar de não curtir avião, me arrependi de não ter voado. O trem húngaro que saiu de Praga era bem velho e também não era muito limpo hehe. A viagem toda tinha mais de 8h de duração e o trem não era nada confortável para dormir, além de ser bem frio.

Tirando o incômodo e a minha recomendação de fazer esse trecho por vias áreas, eu AMEI Budapeste – depois escrevo mais sobre. O cidade legal viu? Os hotéis lá são bem em conta e ficamos em um incrível, o Moments. A equipe do hotel era incrível e eles foram os responsáveis pelo melhor café da manhã da viagem e também o hotel mais barato que nos hospedamos.

64738873

Nossa seguinte parada foi Viena. E Viena é muito cara, acho que foi a cidade mais cara da viagem, sem brincadeira. Por isso escolhemos um baita ap no AirBnb que foi um achado> esse aqui ó. Nossos hosts foram uns queridos e não poderíamos ter acertado mais.

O ap era lindo, super limpo, arejado, tinha uns biscoitinhos que eu viciei (vide os da foto abaixo) e era mega bem equipado: deu pra cozinhar super e curtir os dias de chuva que rolaram pela cidade.

screen-shot-2017-01-30-at-3-36-09-pm

Desde que fechamos o roteiro da viagem queríamos incluir uma cidadezinha de interior no meio e Hallstatt foi a nossa escolha. A cidade é minúscula e parece saída de um conto de fadas (vou contar mais sobre ela nos posts a seguir) <3. Escolhemos o Hallstatt Hideaway para nos hospedar dentre tantas opções que pareciam ser saídas, também, de contos de fadas.

O que eu mais curti dessa pousada era a vista que tínhamos do quarto e o fato de ser cuidado pelos próprios donos, o que faz do lugar ser bem caseirinho.

Screen Shot 2017-01-30 at 3.51.56 PM.png

Nossa última parada foi Veneza. Como Veneza foi o lugar que passamos maior tempo fomos logo de AirBnb, caso contrário teríamos que ter vendido um rim para conseguir um hotel decente a bom preço. Demos sorte e escolhemos um ap que além de ser bem recomendado, era bem localizado e bonito :) link aqui. O único porém é o barulho da galera que passa na rua à noite, mas fora isso é uma bela pedida.

Sei que não é muito comum ficar em AirBnb em Veneza já que as casas por lá são bem velhas e custa achar algo honesto, logo aproveitem esse ap gostoso. E ah, o restaurante que fica na frente dele é fantástico também.

screen-shot-2017-01-30-at-3-57-56-pm

Nos posts a seguir vou comentar mais sobre os lugares que visitamos, comidinhas e dicas em geral. :) Espero que tenham curtido as indicações e qualquer dúvida é só colocar nos comentários abaixo.

Siga @amandamormito/ @casaqueviaja.

Links Incríveis e Mais Dicas de Comidinhas em Berlim

Viajar sem pegar dicas de locais não rola pra mim. É sempre assim: uma vez decidido o destino eu começo a procurar feito louca perfis legais no Instagram, blogs, sites de comidinhas e o que achar de legal pela frente eu guardo. No tempo em que estive procurando por Berlim, encontrei uns bem interessantes. Seguem eles aqui:

STIL IN BERLIN / stilinberlin.de

É um blog fantástico com fotos fenomenais da cidade que começou para captar o street style de lá e hoje tem uma seleção mega variada que vai desde comidinhas e lojas até a achados inesperados. O interessante desse blog é que eles vendem também guias da cidade e isso facilita demais a vida de quem não curte varrer páginas e páginas atrás das melhores dicas.

Foi nesse blog que achei um post guia sobre os melhores cafés de Berlim de 2016 (link aqui) e fui ao Fenster Coffee e adorei a experiência. O lugar é bem clean, minimalista e com um café de alta qualidade.

 

Oooh, Berlin / ooohberlin.com

Pensa em um mapa cool cheio de dicas locais, lindas e cheias de estilo. Pensou? Os guias Oooh, Berlim são isso. Tive a “infelicidade” de conhecer esse site quando estava indo embora já de lá, mas deu para curtir algumas sugestões.

Eles têm os bairros mais legais da cidade mapeados e lotados de recomendações (bares, cafés, restaurantes, parques, jardins, lojas, espaços diversos, etc). Foi lá que descobri o House of Small Wonder – post aqui e fiquei com vontade de voltar a Berlim para desbravar esse lado cool que eles conhecem como poucos.

 

 

Paula Ferraz / instagram.com/paulaferraz & memoriasdabere.com.br

Descobri a Paula em uma dessas andanças pelo Instagram atrás de pessoas residentes em Berlim. A Paula é brasileira e mora por lá desde o começo do ano com o marido e seus cachorros <3. Ler o blog dela (Memórias da Bere) é uma delícia não só por conta das dicas e receitinhas (sim!) que ela coloca por lá, mas porque dá aquele toque caseiro, aquela sensação de que até a Alemanha pode ser sua casa.

Eu sou apaixonada por blogs simples e desse estilo mais homemade, me lembra muito minha época de Buenos Aires para Chicas que eu tanto amei.

Foi através do Ig dela que descobri o Burgermeister, uma lanchonete mega local que fica embaixo de um viaduto em Berlim e que é a idealização da cidade. O sanduíche era delicioso e a sensação de estar em um lugar que os locais adoram é demais também. Prepare-se para a fila apenas.

 

Berlin Food Stories / berlinfoodstories.com

Como o nome já diz, o site é tua enciclopédia para toda e qualquer dica gastronômica que você precise e queira por lá. Entre os posts mais legais que li meu corazón infartou com o Berlin’s top 50 eateries 2016 – the ultimate food bucket list. Sim! Foi isso mesmo que você leu.

E foi lá entonces que descobri e quis provar o Zur letzten Instanz. Um restaurante tipicamente alemão que funciona desde 1621 (incrível neh?). É daqueles restaurantes mais turísticos, mas que serve uma comida deliciosa e bem regional. Vale a pena. O site também organiza alguns food tours e a julgar pela seleção de lugares deles, deve ser bem interessante.

 

Curtiram? Tem mais algum link para sugerir? Comente :)

Siga @amandamormito/ @casaqueviaja.

 

House of Small Wonder: brunch delicioso em Berlim

Tenho paixão por cafés. E por cafés não digo somente a bebida em si, mas o cafecito mesmo, sabe? As cores, o corazón desenhado por barrista (me julgue, mas eu adoro), a música ambiente, o atendimento e etc.

Portanto, a cada viagem rola aqueeeeeela lista absurda de cafés que eu nem sempre chego a conhecer metade, mas que amo compartilhar com todo mundo que sofre do mesmo mal que eu.

No meio dessa lista imensa havia um lugar que era o que eu mais queria conhecer: a House of Small Wonder. O lugar é meio especializado em brunchs, mas dá para aparecer por lá a qualquer hora. Olhem que lindo:

Processed with VSCO with c6 preset

Dá pra pirar neh? Eu ficaria contente só de ter passado por lá pra tirar a foto (bem no estilo Black Mirror) hahaha.

Processed with VSCO with a1 preset

Por lá só entra dinheiro vivo e o menu não é enorme, mas tem opções incríveis. Tipo ovos beneditinos só que ao invés de pão, cookies caseiras e molho da casa e croque monsieur com saladinha de espinafre.

Processed with VSCO with a6 preset

O menu de bebidas é bem democrático. Tem limonada com e sem álcool. Tem suco com e sem vodca. Tem refri, tem trago com whisky e etcs etcs.

Processed with VSCO with a1 preset

E tem também uma janela. Ahhh, essa janela e essa vista que parece sem graça, mas tem tanta vida. Pena que não tinha no cardápio, senão eu levava também.

Processed with VSCO with a1 preset

Passamos umas 2h bem gostosas por lá. Depois acabei descobrindo que o lugar também existe em NYC, claro que no Brooklyn <3, fica a dica para quem passar por lá também.

Processed with VSCO with c1 preset

E depois partimos para caminhar por Berlim. Logo do ladinho do café fica o Rio Spree que no outono fica a coisa mais querida.

House of Small Wonder

www.facebook.com/houseofsmallwonderberlin – Johannisstraße 20, Berlim.